Três pontos fundamentais para contribuir com a inclusão de pessoas idosas na sociedade

No artigo anterior (clique aqui para acessar), identificamos a importância de abordar os desafios da população idosa para a garantia de direitos e oportunidades na sociedade. São 32,9 milhões de brasileiros com 60 anos ou mais, que...

No artigo anterior (clique aqui para acessar), identificamos a importância de abordar os desafios da população idosa para a garantia de direitos e oportunidades na sociedade. São 32,9 milhões de brasileiros com 60 anos ou mais, que podem chegar a 58,2 milhões até 2060, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Mas como incluir essas pessoas? Em um cenário de pandemia, as desigualdades sociais ficam mais evidentes a cada dia que passa. Por isso, separamos alguns tópicos e dicas que podem auxiliar pessoas com 60+ a continuarem ativas.

Inclusão digital

Em um país marcado pela desigualdade social, muitas pessoas não puderam aprender a utilizar computadores, smartphones e outras tecnologias. No entanto, torna-se importante promover esse processo por diferentes motivos, dentre eles:

  • Maior independência
  • Permanência no mercado de trabalho
  • Prevenção contra fraudes e golpes

A meta 4.3, do ODS 4, propõe que até 2030, devemos aumentar substancialmente o número de jovens e adultos que tenham habilidades relevantes, inclusive competências técnicas e profissionais, para emprego, trabalho decente e empreendedorismo. Isso seria ideal para que pessoas idosas pudessem se especializar e conhecer as novas tecnologias.

No entanto, é preciso desconstruir a ideia de que “idosos não conseguem aprender ou se adaptar às novidades”. Esse conceito apenas diminui a autoestima e dificulta a aprendizagem.

Um diferencial no mercado de trabalho

A terceira idade sempre foi associada à aposentadoria. No entanto, o Brasil alcançou uma taxa de informalidade de 39,5% no final de 2020 (IBGE). Muitas dessas pessoas não terão direito à aposentadoria. E, muitas vezes, mesmo os que conseguem se aposentar ainda precisarão complementar a renda.

Portanto, a permanência no mercado de trabalho pode ser ideal para garantir uma melhor qualidade de vida aos idosos.

A meta 8.5, do ODS 8, propõe que, até 2030, é preciso alcançar o emprego pleno e produtivo e trabalho decente para todas as mulheres e homens. Porém, existe uma desconfiança ao abordar a empregabilidade de pessoas 60+

O fato é que empregar uma pessoa idosa pode, sim, gerar benefícios a uma empresa. Geralmente são profissionais mais responsáveis, pois acumularam uma bagagem profissional e de vida que permite, até mesmo, oferecer um olhar diferenciado em relação às atividades da empresa.

Também são pessoas que podem auxiliar no desenvolvimento e aperfeiçoamento de jovens que ingressam na empresa e querem aprender mais.

Saúde preventiva para todas e todos

A Organização Mundial da Saúde (OMS) utiliza o termo “envelhecimento ativo” para promover ações que contribuam para oferecer saúde e segurança para a população idosa, como forma de garantir que o indivíduo continue ativo na sociedade.

No Brasil, de acordo com o Estudo Longitudinal da Saúde dos Idosos Brasileiros (ELSI-Brasil), 75,3% dos idosos dependem do Sistema Único de Saúde (SUS).

A meta 3.8 do ODS 3 propõe atingir, até 2030, a cobertura nacional de saúde (UHC). Entende-se, então, que é necessária a adoção de ações e políticas públicas por parte de gestores municipais para o fortalecimento do sistema e de ações preventivas na área da saúde.


Como pode ser visto, os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável são capazes de auxiliar na inclusão e na promoção de uma vida mais ativa e digna para pessoas idosas.